Você rejeita, mas não odeia

O exercício da profissão de Consultor em Marketing Político deve ser caracterizado, sobre tudo, pela observação, e foi assim que nasceu este novo post para o Atrás do palanque.

Andando pelas ruas da cidade de São Paulo e ouvindo o que diz o povo, é muito comum se deparar com eleitores afirmando que não votarão em José Serra, fato comprovado em recente pesquisa, que mostra sua rejeição na casa dos 45%. Elevadíssima, o que torna a campanha de alto risco para o candidato, mas o que motivou este texto foi um comentário que ouvimos: “este ano está ruim para o Serra, o povo odeia ele, você viu a rejeição que ele tem?”. Este humilde eleitor, claramente não sabe o que significa REJEIÇÃO de candidatos em campanhas eleitorais.

Mas afinal o que é isso?

Primeiro, rejeição a um candidato indicada em pesquisa eleitoral não significa ódio a ele, os números mostram apenas a resposta a seguinte pergunta: Em quais desses candidatos você não votaria de jeito nenhum?

Este tipo de pesquisa que mede a percentagem do eleitorado que não vota em determinado candidato é realizada em dois momentos distintos, e que o eleitor também avalia a pergunta de maneira diferente: primeiro, ela é feita a meses da eleição, quando boa parte da população não sabe ao certo quem são os postulantes e muito menos quando será o pleito; e segundo, durante o período eleitoral.

Na primeira situação, é comum na resposta, o eleitor indicar os nomes mais conhecidos. Aqueles são menos, teoricamente ainda não possuem. Rejeição em campanhas eleitorais é uma das coisas mais difíceis de serem diminuídas, mas a verdade é que alta rejeição não é regra para derrota nas urnas, por exemplo, Lula tinha 31% de rejeição em abril de 2002 e em maio de 2006 era maior que 34%, e nas duas eleições ele foi eleito.

No segundo momento, quando a campanha já está na rua, o principal fator que eleva o índice de rejeição do candidato A, é o crescimento do candidato B. Esta é uma lógica bem simples de ser compreendida, pois a partir do momento que o eleitor decidiu pelo candidato B, o candidato A é reconhecido como adversário do seu escolhido, logo, ele marca na pesquisa que não vota neste candidato de jeito nenhum.

Portanto, rejeição não significa ódio ao candidato, apenas mostra que o eleitor não vota neste nele, porque escolheu ou estar indeciso entre este ou aquele outro nome.

E com este post marcamos o nosso retorno, esperamos que tenham gostado, se gostaram, tweet isto, compartilhe no seu perfil do Facebook, ou ainda deixe o seu comentário ou a sua pergunta.

Um forte abraço e até a nossa próxima publicação.

Esse post foi publicado em Eleições, Geral, Marketing político, Reflexões e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Você rejeita, mas não odeia

  1. Pingback: Segundo turno em São Paulo – Serra x Haddad | Atrás do palanque

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s